segunda-feira, 13 de julho de 2009

Em memória de .... Àlvaro Miranda

Um ano .... já passou um ano desde que o meu mentor e porque não dize-lo, amigo se foi.
Desde essa altura tanta coisa mudou. Mudou inclusivé a minha forma de olhar esta casa que considerava como minha, onde passei melhores anos da minha vida . Tenho saudades dele, tantas, com o seu feitio muito peculiar mas eu sabia sempre com que podia contar, honesto, sério e extremamente correcto em tudo. Não esquecerei nunca os momentos de trabalho alucinante, mas também os momentos de descontração provocados pelas anedotas que constantemente contava. Era certo e sabido que se entrava logo pela manhã com a sobrancelha levantada, era melhor não falar com ele e deixar para mais tarde, era assim, transparente. Gostava de poder voltar a ver a forma como entrava no meu gabinete, mãos atrás das costas a contemplar o Circuito, a comentar o que era necessário fazer para este ou aquele evento, a sua alegria quando alguma coisa boa acontecia e tinha o maior prazer em partilhar, a sua furia quando alguma coisa não corria de feição, mas era sol de pouca dura, no momento seguinte estava ele a fazer-me rir a bandeiras despregadas. Era frequente entrar no gabinete e como eu tenho constantemente a musica ligada, se era musica que ele conhecia cantarolava e falava do que equela musica lhe fazia recordar. Lembro de uma vez estava eu a ouvir Sinatra e ele entrou, parou e começou a cantarolar, alguém do lado lhe disse: está a cantar? que raio de musica, ainda se fosse alguma coisa em condições; resposta muito pronta: - Pois queria o Zé cabra ou o Quim Barreiros!!! realmente o teu gosto musical anda um pouco em baixo e piscou-me o olho. Eu entendi e sorri. Doi demais ver que aqueles que mais amamos e mais falta nos fazem, partem rapidamente e deixam no seu lugar um vazio enorme ......... Nunca mas nunca o esquecerei ......... Até sempre

1 comentário:

Anne disse...

http://efeitobelbellita.blogspot.com/2009/04/refleccao.html
lê e vê como as coisas eram...