sexta-feira, 3 de abril de 2009

Lamento .... mudo

Negro queixume
Alma amarga, sabor a sal
O sal da terra, morta e pútrida
Quem me houve, quem me acode

Peço ás aves que passam,
Á agua que corre
E a terra que arde
Mostro meu rosto triste,
Gélido, inerte como a morte
Mas tudo passa, e eu definho

Busco calor, aconchego-me
No lodo ao meu redor
Nada me abraça,
Nada me trás vida

Fica o meu pranto
Meu resto de vida
Vida triste, vida insana
E a cada lamento, morro devagar....

Não me ouves, não me falas
Busco o calor do teu corpo
E não encontro nada mais que o vazio
Um vazio que me deixa
Assim, ........morta

1 comentário:

Anne disse...

retiro daqui a saudade... de tempos passados? de possiveis tempos futuros? nao sei... mas so tu tens de saber...